segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Não menos que Helena bela

Não menos que Helena bela
Ela senta-se à janela
Porém não à janela mas às janelas
Do computador
Que abrem portas que são redes
Páginas que são sítios
Avenidas que são ermos
Que agora percorremos
Já sem voz
Cada vez mais sós
Tanta profusão
Atira-nos
Para um lixo que nos deita fora

Ana Hatherly
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...