segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Do not stand here

Things happened in life, and you felt them, but it was all in your mind, the colors, the fear and the anxiety. People surrounded you and houses did, and towns, but what you saw was not so important as what you felt. Life was one thing after another, a brief insanity, a series of inexplicable transitions that seemed at the time sensible but at second sight ridiculous, a succession of unconnected incidents, accidental relationships.

John Dufresne, Deep in the Shade of Paradise

Danny Lyon, 1966 véspera de ano novo no metro de Nova Iorque







domingo, 30 de dezembro de 2012

"Who is it that can tell me who I am?" *

* Shakespeare, Rei Lear, Ato I, Cena IV

Não é bastante
que eu reconheça a minha solidão
e a queira como início dum caminho.
Não é bastante
ser livremente tudo quanto sei
e estar aberto a tudo o que serei.
Tudo o que fui e o que sou e o que serei
já são iguais
no tempo do meu todo ignorado.
Quero abrir o que as palavras não descrevem
para já não responder ao sim e ao não
do meu espelho conhecível.
Já não me basta apenas dar um nome
à morte que me cabe enquanto vivo
porque morrer é ter perdido a morte
para sempre
tornando sem sentido o sim e o não
com que me circundei e defini-me.
Conheço-me as fronteiras.
Quero o resto.

Helder Macedo

A Dupla Vida de Verónica, de Kieslowski, 1991

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Elegia 1938


Trabalhas sem alegria para um mundo caduco,
onde as formas e as ações não encerram nenhum exemplo.
Praticas laboriosamente os gestos universais,
sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo sexual.

Heróis enchem os parques da cidade em que te arrastas,
e preconizam a virtude, a renúncia, o sangue-frio, a concepção.
À noite, se neblina, abrem guarda-chuvas de bronze
ou se recolhem aos volumes de sinistras bibliotecas.

Amas a noite pelo poder de aniquilamento que encerra
e sabes que, dormindo, os problemas te dispensam de morrer.
Mas o terrível despertar prova a existência da Grande Máquina
e te repõe, pequenino, em face de indecifráveis palmeiras.

Caminhas entre mortos e com eles conversas
sobre coisas do tempo futuro e negócios do espírito.
A literatura estragou tuas melhores horas de amor.
Ao telefone perdeste muito, muitíssimo tempo de semear.

Coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota
e adiar para outro século a felicidade coletiva.
Aceitas a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição
porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan.


Carlos Drummond de Andrade


 

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

O guarda-chuva

René Jacques, O Homem da Noite, 1939


Chovem protestos palavras
dramaturgos e profetas
a chuva dos manifestos
fecunda a horta das letras.
Chovem bátegas de sílabas
chovem doutrinas e tretas
chovem ismos algarismos
que numeram os poetas.
Chovem ciências ocultas
chovem ciências concretas
e nascem alfaces cultas
para poemas-dietas.
Chovem tiros de espingarda
chovem pragas e lamentos
e cresce a couve lombarda
nos quintais do sentimento.




Chove granizo política
dum céu carranca cinzento
constipa-se logo a crítica
que se mete para dentro.
Chovem as poetisas símias
da menina flor dos olhos
surgem canteiros de zínias
salpicados de repolhos.

Brassai, 1935

Chovem as mulheres-a-dias
com os sonetos nas curvas
lavadeiras de poesia
em barrela de águas turvas.
Chove uma chuva de pedra
chovem astros em cardume
 há uma erva que medra
com este estrume de lume.

Medra a erva do talento
medra a baga do azedume
não há erva que não medre
nas estufas do ciúme.
Chove uma chuva miúda
que é chuva de molha-tolos
sai o poema taluda
e saem rimas nos bolos.

Para o poeta que chova
por dentro, em razão inversa,
forçoso é ter guarda-chuva
contra a palavra perversa
que foi um chão que deu uva
e hoje só dá conversa.


José Carlos Ary dos Santos

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Esperança

"Esperança", Mafalda Silva, Contributor Magazine, 2012

“There are times in your life when, despite the steel weight of your memories and the sadness that seems to lie at your feet like a shadow, you suddenly and strangely feel perfectly okay.”

Kevin Brockmeier

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

À Fortuna

Fortuna, que me persegues,
Pequeno triunfo tens:
Eu desejo só vontades,
Tu disputas-me vinténs.
Basta-me o que me deixares,
Quando tudo me levares.

Basta-me esta alma que tenho,
Constante como os penedos;
Basta-me as águas das fontes,
E a sombra dos arvoredos;
Ponho-me ao fresco no Estio,
E aquento-me, andando ao frio.

Basta-me o Sol, que não podes
Apagar, e à noite a Lua.
Se me tirares a casa,
Irei dormir para a rua.
Sopa, não me dá cuidado,
Tem muitas plantas o prado.

Se o teu rigor se estendesse
A tirar-me o meu tinteiro,
Escreveria nos troncos,
Com um prego, este letreiro:
«Vim ao mundo sem camisa,
Ninguém, morrendo, a precisa.»

Marquesa de Alorna

 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Repulsa


O nojo, o nojo visceral, Senhor.

Dai-nos o nojo, Senhor, o sagrado, o supremo nojo
de que se irá decidir a nossa salvação e a salvação dos que,
enojados como nós,
antepõem o vómito a esta mansidão de sombras paradas pelo
chão.

Dai-nos o nojo, Senhor, o nojo que a marca da repugnância
favorece e docilmente nos vem lamber as feridas.

O nojo, Senhor, a agonia do nojo
para que possamos cuspir sem ressentimentos no rosto
de quem nos cospe no rosto.

Porque o rato pariu uma montanha, Senhor, e como cães
assustados
esperamos o impacto do fogo sobre o fogo.

Porque mantemos os sentidos despertos, Senhor, e esperamos
o resgate, o refúgio e o êxtase.

Porque caminhamos nas trevas com extrema paixão e uma ânsia
poderosa, Senhor,
dai-nos a náusea,
a abundância da náusea sobre o nosso rancor.

Dai-nos o vómito, Senhor, o vómito
carregado de fel da nossa vida violenta,
do nosso amor violento,
da nossa esperança violenta e violentada
pelo preço de um pão e o suor agónico da nossa face.

Recorremos a Ti, Senhor, neste páramo de ódios,
para que nos dês o alívio do vómito letal do nosso desespero,
esta amargura carregada de amargura
que nos lançaram sobre os ombros e tem o peso do mundo.

Com as lágrimas nos olhos, Senhor, e a cabeça coroada
de espinhos, pedimos-Te a libertação do nojo que ocultamos nos
nossos corações,
o nojo intemporal
dos que nos antecederam e que virão depois de nós, o nojo
imensurável que geramos no nosso ventre e ao nosso ventre
voltará sob a forma de cal
purificadora.

Dai-nos o nojo, Senhor, essa flor infecta, sanguinolenta e suja
que há-de desabrochar das nossas dores

em Tua glória

e em nome do asco a que fomos submetidos.


Amadeu Baptista in "Antecedentes Criminais - Antologia Pessoal 1982-2007", Edições Quasi, 2007

Repulsa, de Roman Polanski, 1965

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O Funeral

In Memoriam

De todas as vezes que olhei para ti, quais as que realmente te vi ?
Apenas um rosto mais numa sala de aula cheia...
Onde quer que estejas, que lá seja o fim da dor e do vazio.



 

sábado, 1 de dezembro de 2012

Serás amor...

Serás amor,
um longo adeus que não acaba?
Viver, desde o principio, é separar-se.
Já no primeiro encontro
com a luz e os lábios
o coração conhece a angústia
de ter que estar cego e só um dia.
Amor é o adiamento milagroso
do seu próprio fim:
é prolongar o feito mágico
de que um e um sejam dois, frente
à primeira sentença da vida.
Com os beijos,
com a dor e o peito se conquistam,
em trabalhosas lutas, entre gozos
semelhantes a jogos,
dias, terras, espaços fabulosos,
a grande separação que está à espera,
irmã da morte ou a própria morte.
Cada beijo perfeito afasta o tempo,
lança-o para trás, alarga o mundo estreito
em que um beijo é possível ainda.
Não é ao chegar nem no encontro
que o amor tem o seu cume:
é na resistência a separar-se
que ele se sente, nu, altíssimo, a tremer.
E a separação não é o instante
em que braços ou vozes
se despedem com gestos materiais.
É de antes, de depois.
Se se estreitam as mãos, ou se se abraça,
nunca é para haver separação,
é porque a alma cegamente sente
que a forma possível de estar juntos
é uma despedida longa, clara.
E que o mais certo é o adeus.

Pedro Salinas in "Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea"

 
L'Année Dernière à Marienbad, de Alain Resnais, 1961
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...