segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Amor

Amor, de António Carneiro

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo

Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa.

Sophia de Mello Breyner Andresen
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...